Classificado por alguns como “febre”, ou até como “vício”, o uso intensivo do smartphone por um número considerável de pessoas gera alguns costumes minimamente curiosos, de acordo com o “Global Mobile Consumer Survey – GMCS 2016”, estudo da Deloitte que apura o hábito de consumo de equipamentos e serviços de tecnologia móvel em 31 países do mundo. No Brasil, a pesquisa foi realizada com 2.005 pessoas de todas as regiões do país.

Entre os exemplos está o hábito cultivado por 37% dos donos desses equipamentos que participaram do estudo, que afirmam verificar suas mensagens instantâneas em aplicativos como o WhatsApp caso acordem no meio da noite. Já 28% dos pesquisados disseram que chegam a responder às mensagens durante a madrugada. No outro extremo estão 29% dos respondentes que afirmam nunca checar seus aparelhos durante a noite, nem mesmo para conferir o horário no relógio do aparelho.

A intensidade de uso também se estende aos extremos do dia. Pelo menos 32% dos donos de “telefones inteligentes” dizem que a primeira coisa que fazem ao acordar é olhar seu aparelho. Ao final do dia, 48% dos respondentes em 2016 disseram que dão uma última olhadinha no smartphone, cinco minutos antes de ir dormir.

A atividade priorizada por 33% daqueles que checam seu smartphone logo pela manhã é navegar pelas redes sociais. Logo a seguir, vem o costume de teclar nos aplicativos de mensagens instantâneas, que é privilegiado por 28% dos respondentes. Em terceiro, vem o hábito de checar e-mails pessoais, citado por 10% dos respondentes.

“Depois do fenômeno dos videogames, que mudou hábitos de várias gerações, especialmente de jovens, as facilidades proporcionadas pelas tecnologias condensadas em um único smartphone estão transformando o dia a dia de incontáveis pessoas em todo o mundo”, avalia Marcia Ogawa, sócia-líder para o atendimento à indústria de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte. “Cada vez mais o smartphone torna-se um hub não somente para uso pessoal mas também para aplicações corporativas – o que converge para o fenômeno da transformação digital das empresas”, diz Marcia.

Presença extensiva do smartphone

O aumento do uso de telefones móveis foi estimulado com a popularização de acesso aos smartphones. Afinal, oito em cada dez dos brasileiros que participaram da GMCS 2016 já carregam consigo esses aparelhos. O percentual de 80% (quase o mesmo apurado globalmente pela pesquisa: 81%) de pessoas ouvidas em todo o país tendo acesso a esses equipamentos equivale a um crescimento de três pontos percentuais em relação aos 77% apurados em 2015.

A evolução é ainda mais significativa quando lembrada a penetração do smartphone em 2013. Na pesquisa daquele ano, apenas 29% dos participantes brasileiros possuíam ou tinha acesso aos “telefones inteligentes”.

A seguir, na preferência dos brasileiros, vêm: os laptops, com 65% dos participantes do estudo dizendo ter no mínimo contato com o equipamento (uma queda de quatro pontos percentuais em relação aos 69% do ano passado); tablets (queda do percentual de 43% em 2015 para 41% neste ano); eReaders (leitores eletrônicos, com alta de 4% para 6% na comparação anual); smartwatches (relógios conectados, também com alta de 4% para 6%); e fitness bands (pulseiras inteligentes, alta de 2% para 4%).

A grande novidade da pesquisa são os VR headsets, óculos de realidade virtual, que não haviam sido citados em 2015 e que aparecem com 6% dos respondentes afirmando já possuir ou, ao menos, ter contato com esse tipo de aparelho.

“O brasileiro, em geral, é reconhecido internacionalmente por ser ávido por novidades. Os lançamentos que ampliam as possibilidades de interação tecnológica são sempre valorizados por aqui”, afirma Marcia Ogawa, sócia-líder para o atendimento à indústria de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte.

E por estarem mais conectados a rede mundial de internet, é que os consumidores preferem se comunicar com as suas marcas de uma forma mais livre. Na hora que quiserem, que puderem, que precisarem de uma solução e será através dos diversos canais sociais e convencionais que procurarão comunicação, esse é o cliente “omnichannel“.

E qual tal proporcionar uma experiência única para esse cliente? Com uma tecnologia que embarca os diversos canais de comunicação que o seu cliente utiliza?

Fonte: Paraíba Total