Aliado do dia a dia de muitos brasileiros, o smartphone deixou de ser apenas uma ferramenta voltada predominantemente para chamadas de voz. De acordo com o estudo Global Mobile Consumer Survey 2016, produzido pela Deloitte, o aplicativos de mensagens instantâneas são os mais usados pelos brasileiros, com 79% de citações. As redes sociais foram lembradas em 73% das respostas, enquanto o e-mail foi citado por 63% dos entrevistados.

Em 2013, chamadas de voz eram mais populares que aplicativos de mensagens e foram citadas por 80% dos entrevistados. As chamadas de voz ficaram apenas na quarta colocação, com cerca de 61% das citações. Os entrevistados também citaram chamadas de voz por protocolo IP (47%) e videochamadas (26%). Para chegar ao resultado, o levantamento perguntou para os participantes quais meios de comunicação disponíveis em seus aparelhos foram usados na semana anterior à pesquisa.

Em comparação, o uso de chamadas de voz foi citado por 80% dos usuários de celulares na pesquisa de 2013. Para a diretora da Deloitte para o setor de Telecomunicações, Mídia e Tecnologia, Solange Carvalho, a queda da popularidade das ligações convencionais é um fenômeno que causa preocupação entre as operadoras de telefonia. “As empresas de telecomunicações têm se dedicado a repensar seus modelos de negócios para enfrentar essas tendências e seguir capitalizadas”.

De acordo com a executiva, a mudança do comportamento dos usuários está relacionada à projeção de tecnologias OTT, ou over the top, que oferecem conteúdos audiovisuais por meio da internet. “As operadoras acabam viabilizando o meio (que é a conexão de Internet) pelo qual os entrantes de OTT oferecem seus serviços e abrem concorrência direta com as primeiras”, explica.

O WhatsApp é o serviço alternativo às ligações mais lembrado pelos entrevistados, com 85% de citações de brasileiros que possuem smartphones. Os entrevistados na faixa etária entre 45 e 55 anos são os que mais usam as mensagens instantâneas, chegando a cerca de 90% dos entrevistados. Entre os participantes da faixa entre 18 e 24 anos, o app foi citado em pouco mais de 70% das respostas.

Ao mesmo tempo em que o uso dos celulares se transforma, a popularidade do aparelho segue crescendo. De acordo com a pesquisa, oito em cada dez brasileiros entrevistados já utilizam os smartphones. O resultado do País ficou próximo da média global, de 81%. O índice representa um aumento em relação a 2015, quando os celulares inteligentes eram utilizados por 77% dos entrevistados.

Lista de desejos

O estudo também apontou qual deve ser o comportamento do brasileiro no futuro próximo. Os produtos com maior expectativa de compra dos brasileiros é o smartphone, com 59% dos entrevistados afirmando que desejam esse tipo de equipamento no próximo ano. Os tablets (28%), laptops (27%) e relógios inteligentes (12%) seguem logo abaixo. Os participantes também citaram dispositivos de realidade virtual (11%) e pulseiras inteligentes (8%).

“Essa lista de desejos mostra, basicamente, que o brasileiro busca praticidade e eficiência para se comunicar e se manter conectado às novas tendências”, diz Marcia Ogawa, sócia-líder para o atendimento à indústria de Tecnologia, Mídia e Telecomunicações da Deloitte. Para apurar o hábito de consumo de equipamentos e serviços, como chamadas de voz e aplicativos, o levantamento entrevistou usuários de 31 países. No Brasil, a pesquisa foi realizada com 2.005 pessoas de todas as regiões do País.

Agora que você já conhece os canais que se popularizarão em meio aos consumidores. Vamos conhecer uma plataforma 100% online que permitirá um atendimento omnichannel, facilidade, praticidade e gestão para a sua empresa?

Fonte: IG